DISCÓBOL

ANTÓNIO JORGE

Alfacinha, capricorniano de nascimento e benfiquista por convicção. Diz que a melhor forma de conhecer a verdadeira Lisboa continua a ser o popular 28 da Carris. Homem da Rádio desde que se lembra e mais tarde da Televisão, sente-se cada vez mais seduzido pelas palavras e pelos livros. A fotografia é também uma paixão de sempre, tal como a música – particularmente a portuguesa.

Lema de vida: partilhar é preciso, mas comunicar é essencial.

DISCO #7

Beatriz Nunes canta, compõe e é professora de voz na Escola de Jazz do Barreiro e na Escola Profissional Ofício das Artes, em Montemor-o-Novo. Começou a cantar ainda muito jovem no Coro da Academia dos Amadores de Música de Lisboa e aí iniciou estudos na guitarra clássica. Passou pelo Curso de Canto na Escola de Música do Conservatório Nacional e em 2014 concluiu a licenciatura em Música Jazz na variante voz, na Escola Superior de Música de Lisboa. No mesmo ano recebeu uma bolsa do New York Voices Summer Camp, onde estudou técnica vocal e composição.

 

Em 2011 é convidada por Pedro Ayres Magalhães para assumir as vozes dos Madredeus – grupo com quem grava os álbuns “Essência” e “Capricho Sentimental”.

“Canto Primeiro”, o álbum estreia editado em nome próprio em 2018 é uma inevitabilidade da sua já vasta e rica carreira musical.

Um disco que, segundo Beatriz revela canções portuguesas cruas e cristalinas que convidam não só ao sonho, mas também à contemplação. E estão lá as heranças clássicas, jazzísticas e a música portuguesa, seja ela de cantautor ou não – e nada colide: tudo se harmoniza.

“Canto Primeiro” é acima de tudo, um disco em português que está num patamar que infelizmente (ainda) tropeçamos poucas vezes.

OIÇA TAMBÉM

ivo-soares.jpg
maro_cantora58392fe2_base.png
sapoMag.jpeg
ng-9aa7cdad-7e3b-47a4-a6ac-7b0f9c4001c1.

© 2019 PAJU. Todos os direitos reservados.

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon