DISCÓBOL

ANTÓNIO JORGE

Alfacinha, capricorniano de nascimento e benfiquista por convicção. Diz que a melhor forma de conhecer a verdadeira Lisboa continua a ser o popular 28 da Carris. Homem da Rádio desde que se lembra e mais tarde da Televisão, sente-se cada vez mais seduzido pelas palavras e pelos livros. A fotografia é também uma paixão de sempre, tal como a música – particularmente a portuguesa.

Lema de vida: partilhar é preciso, mas comunicar é essencial.

DISCO #8

Vasco Vilhena nasceu em Lisboa, embora tenha sido adotado desde muito cedo pelo Alentejo. Em 2014 edita “Treze” o primeiro álbum – logo aqui percebemos que o seu caminho é fortemente influenciado pelo Jazz e pela Pop mais alternativa.

Ao Conservatório de Lisboa foi buscar os ensinamentos e a entrega total que pôs em cada canção do mais recente “Urso Solar” – uma espécie que, diz “vai extinguir-se mais rapidamente que o Urso polar”, até porque “o tempo escapa-me pelas mãos, as feridas não”. A jovialidade e suavidade de “Urso Solar” convidam-nos a descobrir o que de bom escondem cada uma destas oito canções - feitas de um intimismo que felizmente está longe de se fechar sobre si mesmo.

“Urso Solar” by Vasco Vilhena.

OIÇA TAMBÉM

ivo-soares.jpg
maro_cantora58392fe2_base.png
ng-9aa7cdad-7e3b-47a4-a6ac-7b0f9c4001c1.
sapoMag.jpeg
image.jpeg

© 2019 PAJU. Todos os direitos reservados.

Site optimizado para as versões do Internet Explorer iguais ou superiores a 9, Google Chrome e Firefox

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon